ÍCONES DE PORTUGAL

Património de Portugal

Igreja Salvador de Lufrei – Amarante

Posted by mjfs em Março 15, 2008

Salvador de Lufrei - Amarante

Geograficamente ligado ao Rio Tâmega e às Serras do Marão e da Aboboreira, o território correspondente, na actualidade, ao concelho de Amarante destaca-se, não apenas pela beleza das suas paisagens, como pelos testemunhos da passagem e fixação de diferentes comunidades humanas ao longo dos tempos, numa evidência dos recursos cinegéticos que proporcionava à sua sobrevivência.

Mas estas terras distinguiram-se de igual modo pela forma como desenvolveram variantes regionais de alguns estilos arquitectónicos, a exemplo do românico que aqui assumiu uma expressão bem vincada, ainda que influenciada pelos conhecimentos procedentes de Santiago Compostela, que aqui chegavam através de Tui, cuja diocese dominou parcialmente o Alto Minho.

Não deixa de ser, no entanto, curioso que o Rio Tâmega funcionasse, nesta região, quase como uma fronteira que define duas áreas do românico, sendo que a localizada na margem esquerda exibe exemplares de linhas e decoração bastante mais simples, quando comparados aos erigidos na margem oposta, mais consonantes aos cânones gerais, de conteúdos e formas mais elaboradas.

Uma diversidade que poderá ser explicada à luz das diferenças observáveis no âmbito dos próprios recursos existentes, quer materiais, quer económicos (daqueles decorrentes), reveladas na própria estrutura de alguns templos.

É este o caso da “Igreja do Salvador, de Lufrei”, templo medieval edificado em zona rural, porém na passagem dos denominados “Caminhos de Santiago”, abrigando os peregrinos que os percorriam.

Construída num material – granito – que lhe conferiu um aspecto robusto e sóbrio, a igreja, com adro delimitado por pequeno muro pétreo e com arca tumular, terá sido fundada aquando do Mosteiro beneditino do Salvador de Lufrei, no século XII, até que, em quinhentos, as freiras foram transferidas para o convento de S. Bento de Avé Maria, na cidade do Porto.

De planta simples pavimentada e coberta com madeira, a nave única culmina no arco triunfal (sem lavores) que a separa da capela-mor. Aqui, surge o retábulo-mor executado em talha dourada e policroma tripartido por colunas com fustes decorados com acantos e querubins e capitéis coríntios, albergando, ao centro, tribuna emoldurada com motivos vegetalistas a enquadrar nicho de verga curva com trono de três degraus ladeado por painéis pintados representando S. Pedro, no lado do Evangelho, e S. Paulo, no lado da Epístola.

No exterior, sobressai o portal com duas arquivoltas apoiadas em bases salientes e sobrepujado por fresta rasgada em arco de volta perfeita.

Texto: IPPAR

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: