ÍCONES DE PORTUGAL

Património de Portugal

Castelo de Freixo de Espada à Cinta – Bragança

Posted by mjfs em Maio 30, 2008

Castelo de Freixo de Espada à Cinta - Foto Lente Oculta

O castelo de Freixo de Espada à Cinta é uma das mais antigas fortalezas transmontanas, estando documentada desde praticamente o século XII e antecedendo, por isso, o fenómeno de vilas novas criadas por D. Afonso III e D. Dinis. A referência mais antiga data de 1152 ou 1155-1157, anos em que D. Afonso Henriques passou carta de foral à localidade. É de presumir que a construção da fortaleza tenha ocorrido a partir deste diploma, mas só possuímos informações documentais relativas a obras em 1258. Perante estes dados, é provável que, logo no século XII, se tenha edificado um primitivo reduto, eventualmente com cerca a defender a povoação, como sugere Mário Barroca, fortificação essa que acabaria por ser ocupada pelas tropas leonesas entre 1212 e 1213. Deste primeiro momento de vida do castelo, todavia, pouco ou nada é o que sabemos e o conjunto aguarda ainda por uma monografia rigorosa que permita identificar, por exemplo, se partes da actual muralha podem corresponder a esse período.

No século XIII, a partir do foral outorgado por D. Afonso III, datado de 1273, o castelo foi objecto de uma extensa campanha de obras. Estamos mal informados a respeito da extensão dos trabalhos realizados, pela grande destruição actual do conjunto, mas não restam dúvidas da grande importância desta campanha, em particular a que se desenvolveu no reinado de D. Dinis, a ponto de Rui de Pina escrever que este monarca povoou de novo e fez o castelo.

O principal elemento remanescente é a alta e cenograficamente refinada torre heptagonal (também designada por Torre do Galo). De fabrico dionisino, trata-se, ao que tudo indica, da torre de menagem do castelo gótico, independentemente de Rita Costa GOMES,  admitir que tal função havia sido reservada a uma “das torres quadrangulares hoje demolidas, de traça mais arcaica” e de a torre heptagonal ser já posterior, eventualmente do reinado de D. Fernando. Com cerca de 25 metros de altura, e com faces de diferentes larguras, impõe-se na malha antiga da localidade e é uma das mais importantes realizações militares do tempo de D. Dinis, testemunhando o aparecimento dos dispositivos de tiro vertical, através dos balcões corridos assentes em cachorrada e com chão perfurado (também designados por machicoulis), e a complexificação planimétrica da estrutura, que permitia uma melhor defesa circundante.

A complexidade e diversidade das torres parece, de resto, ter sido uma constante da reforma dionisina. No século XVI, quando Duarte d’Armas desenhou a fortaleza, ainda existiam muitas delas, de perfil hexagonal e pentagonal, “dispostas a intervalos regulares” e a maioria integrando “balcões de matacães para defesa do circuito”.

Uma fortificação assim complexa, de apreciáveis dimensões e com notáveis recursos técnicos, deve ter levado bastante tempo a edificar-se. É desta forma que equacionamos o longo período que vai desde o foral de D. Afonso III até 1342, ano em que um documento noticia estar a cerca da vila ainda por concluir. Em 1376, já no reinado de D. Fernando, novas obras são mencionadas, facto que testemunha a constante actualização do recinto ao exigente século XIV militar.

As dificuldades de povoamento deverão ter motivado a transformação da localidade em couto de homiziados, em 1406. No entanto, tal não impediu que novas obras se realizassem, “nomeadamente entre 1412 e 1423, e entre 1435 e 1459”, empreitadas de eventual pendor residencial, tão ao gosto dos alcaides do final da Idade Média. Nos inícios do século XVI, o castelo dispunha de barbacã e registavam-se novos trabalhos, conduzidos pelo mestre biscaínho Pero Lopes.

Ao longo da época morderna existiram pequenos trabalhos de consolidação e a perda de funcionalidade ocorreu apenas no século XIX, quando o recinto foi adaptado a cemitério municipal (1836) e alguns panos foram sacrificados.

Texto: IPPAR/PAF

 

OUTROS LINKS:

  • Inventário do Património Arquitectónico (DGEMN)
  • Instituto Português de Arqueologia
  • Castelo de Freixo de Espada à Cinta (Pesquisa de Património / IPPAR)
  • Reconstrução Digital 3d do Castelo de Freixo de Espada à Cinta
  • Castelo de Freixo de Espada à Cinta (pt.wikipedia)
  • Castelo de Freixo de Espada à Cinta (portugal Sec XXI)
  • Castelo de Freixo de Espada à Cinta (Lente Oculta)
  • Castelo de Freixo de Espada à Cinta (Castelos de Portugal)
  • Anúncios

    Uma resposta to “Castelo de Freixo de Espada à Cinta – Bragança”

    1. Boas,

      Vejo aqui um belo blog que dá a conhecer o que de belo temos por esse nosso país, pena e tenho de ser sincero, que cortem o nome das pessoas das quais aqui publicam suas fotos, não sei se é sem querer ou por querer, mas reparo que nenhuma das fotos ou qse nenhuma identifica o seu autor, e como devem saber as imagens são protegidas por lei, assim como publicar alguma foto que possam ir buscar, podem incorrer numa infracção punida com coimas. Acho que devem colocar imagens mas pedindo essas fotos aos seus autores e colocar seus nomes bem visíveis.
      É só uma chamada de atenção.

      Cumprimentos e espero ver por aqui mtas belas imagens e textos para divulgação da nossa rica história e seus monumentos.
      Nuno de Sousa

    Deixe uma Resposta

    Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

    Logótipo da WordPress.com

    Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

    Facebook photo

    Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

    Google+ photo

    Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

    Connecting to %s

     
    %d bloggers like this: