ÍCONES DE PORTUGAL

Património de Portugal

Forte de São Julião da Barra – Lisboa

Posted by mjfs em Abril 5, 2009

 

A construção da Fortaleza de S. Julião da Barra foi recomendada por D. Manuel I a seu filho D. João num terreno, junto à confluência das barras Norte e Sul que se avistava da ermida de Stº Amaro, onde o Rei ia implorar cura para as suas pernas.

Com efeito, o então denominado Forte da Ponta de S. Gião, por ter sido construído no local onde antes existia uma pequena capela com aquele nome, foi mandado construir por D. João III, não só para cumprimento do desejo de seu pai mas também porque os seus conselheiros militares propunham que a defesa marítima do Porto de Lisboa não se deveria basear no Castelo de S. Jorge e Cerca Moura, mas sim em fortalezas junto à foz do Tejo.

Os planos da fortaleza, cuja construção se teria iniciado em 1553, são atribuídos a Miguel Arruda, que esteve envolvido na construção do Mosteiro da Batalha e também na fortificação de Ceuta.

O forte foi palco de duas rendições: a 13 de Agosto de 1580 entregue aos espanhóis, por entendimento de Tristão Vaz da Veiga com as tropas de Filipe II de Espanha e a 12 de Dezembro de 1640 quando um oficial de Filipe IV de Espanha, D. Fernando de La Cueva, o devolve aos portugueses, sem resistência, em troca de substancial recompensa.

Foi cárcere – militar e politico – desde o domínio dos Filipes até ao reinado de D. Miguel. O General Gomes Freire de Andrade terá sido provavelmente o mais conhecido desses forçados ocupantes, de onde, aliás, só saiu a 18 de Outubro de 1817, para ser enforcado. Em sua memória foi colocada uma lápide e um silhar de azulejos com a sua efígie sobre a porta da torre.

No inicio do século XIX (1807), as tropas francesas, sob o comando do General Junot, invadiram Portugal pela fronteira da Beira, alcançando Lisboa em 30 de Novembro, quando a família real já se encontrava a caminho do Brasil. Junot visitou pelo menos duas vezes a fortaleza durante a ocupação. Em 2 de Setembro de 1808, após a Convenção de Sintra, a bandeira inglesa substituiu a francesa no mastro da Torre de S. Julião da Barra.

O Alvará Pombalino de 1 de Fevereiro de 1758 que criou o Serviço de Faróis, indicava S. Julião como um dos locais para os quais El-Rei ordenava “…que logo se levantem seis competentes pha-roes para guia da navegação das referidas costas e barra (…)”

Apesar deste facto, constata-se que já tinha existido um farol em S. Julião, antes do terramoto de 1755, a julgar pelo que diz o padre Matias Marques Cardoso, prior da freguesia de N.S. da Conceição, numa “Memória” incluída no “Dicionário Geográfico de Portugal” do padre Luís Cardoso, arquivada na Torre do Tombo: “Tem esta fortaleza um farol em cima de uma altíssima torre que se levanta no meio da praça o qual se ascendia de noite para guia das embarcações, do 1º de Outubro até aos fins de Março. O nomeado farol caiu com o terramoto.”

A Torre de S. Julião foi restaurada e acrescentada “em trinta palmos” (seis metros) entrando em funcionamento em 1761 com uma pequena fonte luminosa de uma só chama, alimentada a azeite e protegida por uma lanterna em pedra com vãos para passagem da luz. Em 1775 é instalado um aparelho de candeeiros de Argand com reflectores parabólicos. O farol, em 1848 e 1865, é modernizado, tendo sido nesta última data instalado um aparelho lenticular de Fresnel de 4ª ordem, produzindo luz branca fixa, alimentada a gás destilado de madeira.

A iluminação, em 1885, passou a ser obtida pela incandescência de gás obtido do petróleo. O farol voltou a sofrer novas reparações em 1893 e 1913, sendo-lhe instalado um sinal sonoro de trompa em 1916, mas logo em Março desse ano e até Dezembro de 1918, esteve apagado em virtude da I Grande Guerra.

Por motivo da resolução da Conferência de Balizagem realizada em Lisboa, em 1933, que bania as luzes fixas das balizagens marginando cidades ou povoações importantes, a luz do farol, que era branca fixa, passou a vermelha de ocultações, sendo o mesmo electrificado, por ligação à rede pública de energia e o sinal sonoro substituído por uma sereia electrodinâmica.

O farol, em 1980, com a instalação de um cambiador de lâmpadas e de um grupo gerador de arranque automático, controlados via rádio na Central de Monitorização dos Faróis da Barra de Lisboa, instalada na Direcção de Faróis, ficou automatizado tendo por esse facto deixado de ali prestar serviço pessoal faroleiro. Entretanto, a fortaleza foi desguarnecida militarmente em 1951, sendo actualmente residência oficial do Ministro de Estado e da Defesa Nacional.

Local: Oeiras

Altura: 24 m

Altitude: 39 m

Luz: Oc Vm 5s

Alcance: 14 M

Óptica: 4ª Ordem 250 mm

Ano: 1775

O Farol de S. Julião sempre teve grande significado para os marinheiros, já que além das suas funções de alumiamento forma, com o seu homónimo do Bugio, um alinhamento que define a entrada/saída da Barra de Lisboa, a denominada passagem entre torres. O momento dessa passagem marca a entrada no mar oceano e a preocupação com o que se terá de enfrentar ou a chegada da missão cumprida e o reconfortante regresso a casa.

Forte de São Julião da Barra

A Torre e o Farol, que mantém a óptica instalada em 1895, são o ex-libris da maior fortaleza marítima situada no porto de Lisboa e uma das mais belas da Europa.

Texto e imagens: marinha.pt

Mais Ligações:

  • Forte de São Julião da Barra (IPA/DGEMN)
  • Instituto Português de Arqueologia
  • Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR)
  • Forte de São Julião da Barra (marinha.pt)
  • Forte de São Julião da Barra (pt.wikipedia)
  • Forte de São Julião da Barra (Guia da Cidade)
  • Forte de São Julião da Barra (Infopédia)
  • Anúncios

    Deixe uma Resposta

    Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

    Logótipo da WordPress.com

    Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

    Facebook photo

    Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

    Google+ photo

    Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

    Connecting to %s

     
    %d bloggers like this: