ÍCONES DE PORTUGAL

Património de Portugal

Paranhos – Porto

Posted by mjfs em Setembro 8, 2007

Paranhos é a maior freguesia da cidade do Porto e a terceira maior do país. 

De Paranhos de outros tempos à actualidade

Origem

Paranhos… Esta nomenclatura é a forma evoluída do primeiro vocábulo: Paramio. O actual nome surge pela primeira vez em documento datado do ano de 1689.

Antes da fundação do Condado Portucalense a freguesia de Paranhos já existia, sendo habitada por mouros ou árabes que se mantiveram nesta região até ao século X.

No ano de 1123 é realizada uma doação do padroado da Igreja de Paranhos ao Bispo do Porto, D. Hugo por parte de D. Elvira Trutesindes e por parte de Pio Mendes. Do padroado doado fazia parte um grande número de casais e quintas.

Em 1341, no século XIV, D. Afonso IV confirma à mitra do Porto o Couto de Paranhos, passando a jurisdição do Couto a pertencer ao Bispo do Porto, na altura, D. Vasco Martins. Por esta altura cerca de dois terços da freguesia pertencia aos senhores do cabido da Sé.

Registos Paroquiais

Foi no ano de 1587 que se realizaram os primeiros assentos de baptismos, casamentos e óbitos.

O primeiro baptismo com assento realizou-se em 29 de Novembro de 1587 com o nome de André. O primeiro assento de casamento aconteceu em 25 de Junho de 1588 entre Thomas Annes e Catarina Annes e o primeiro assento de óbito foi feito a 20 de Novembro do mesmo ano, com o funeral de João da aldeia de Lamas.

No século XIX, o ano em que se registaram mais baptismos (678), foi o de 1926. O ano com mais casamentos foi o de 1947 com 194 uniões e 1905 foi o ano em que se registaram mais óbitos, um total de 420. 

Paranhos e o Cerco do Porto

Paranhos teve uma importância crucial na vitória dos liberais sobre os absolutistas aquando do cerco dos miguelistas à cidade. A Quinta do Covelo, também denominada da Bela Vista, foi um ponto estratégico, uma vez que dela se podia ter uma vista de boa parte da cidade. Por esse motivo, as tropas miguelistas instalaram nesta Quinta uma bateria de canhões.

A nove de Abril desse mesmo ano, os liberais conseguem infiltrar-se na Quinta, tendo atacado os soldados absolutistas e tomado conta do reduto do Covelo. Esta foi sem dúvida uma importante vitória nesta luta que só terminou em 1834 com a vitória dos liberais.

Crescimento da Freguesia

Esta freguesia foi crescendo e desenvolvendo-se, aliás como a maior parte das freguesias, em torno da sua igreja. A igreja de Paranhos foi edificada por lavradores abastados no século X, em torno da qual foram nascendo casais e quintas, como estas continuaram a crescer, deram origem a lugares, entre eles Regado, Agueto, Couto, Igreja, Lamas, Tronco, Carvalhido, e Vale, estes já existiam em 1689. Em 1758 já existiam mais lugares, entre os quais, Amial, Bouça, Cruz da Regateira, Antas, Travessa, Azenha e Cabo. Existiam ainda os lugares de Casal, Fonte, Paranhos, Telheiro, Estrada, Monte Velho, Eira, Padrão, Pereira, Tojo, Aval, Cortes, Regueiras e Asprela.

Com base no Catálogo dos Bispos do Porto de D. Rodrigo da Cunha, sabemos que em 1623, Paranhos contava apenas com 246 habitantes. No ano de 1687, existiam em Paranhos 466 habitantes. Em 1758, segundo dados cedidos pelo pároco, o Reverendo João Carneiro da Silva havia nesta freguesia 806 habitantes.

Em 1766, Paranhos contava com 946 habitantes e em1801, há escritos que dão conta de 1541 habitantes na freguesia.

Desde o ano de 1837 que a freguesia de Paranhos foi integrada na cidade do Porto, tendo pertencido até esta data à antiga Terra da Maia.

Criação da Junta de Freguesia

Por decreto de 18-7-1835, foi criada nesta freguesia de Paranhos uma Junta de Freguesia que, até 1910 se chamou Junta de Paróquia, cuja sessão inaugural aconteceu em 1836.

Até 1851 a Junta esteve instalada na “Casa da Fábrica” da Igreja Paroquial. Depois desta data, mudou-se para a sacristia devido à “Casa da Fábrica” ameaçar ruir.

“Em Janeiro de 1882, mudava para a casa do Vice-Presidente, Gaspar Lucas d’Almeida, da Rua de Costa Cabral, 251; passados dois anos e até 1886, mudou para o N.º 227 da mesma rua.

Neste ano de 1886, é feita nova mudança para o edifício da escola do sexo masculino, à Rua do Vale Formoso, onde se conservou até ao fim do ano de 1889, e em Janeiro de 1890, finalmente, fixa-se a Junta de Paróquia no seu edifício privativo, à Rua da Lealdade (actual Rua de Álvaro de Castelões)…”

Para além da Junta de Paróquia instalaram-se no edifício, a Regedoria, o Posto de Registo Civil, um Posto Médico e duas escolas oficiais.

Actividades Económicas

Em finais do século XIX, já se denota em Paranhos um crescimento que embora lento, vai marcando a diferença, face às outras freguesias caracteristicamente rurais. Foram-se  formando duas ruas bastante compridas que espelhavam a atracção da população, sendo elas a chamada Rua da Rainha, actual Antero de Quental e Vale Formoso e a Rua de Costa Cabral. Os lugares do Covelo e Campo Lindo, forma também integrados na cidade.

No início do século XX, apenas oito das doze freguesias que faziam parte do concelho eram de cariz urbano. Foz, Lordelo, Paranhos e Campanha eram ainda freguesias marcadamente rurais, apesar de em Paranhos existirem já algumas artérias onde as lojas comerciais proliferavam, como a Rua de Costa Cabral, Álvaro de Castelões, Vale Formoso, São Dinis e Amial. Podemos mesmo afirmar, que apesar da agricultura ser a actividade à qual a maioria dos paranhenses se dedicava, havendo casas de lavoura que criavam gado bovino que era exportado para Inglaterra, até meados do século passado existiram bastantes fábricas nesta freguesia, fábricas de tecidos, fósforos, curtumes, louça de ferro, etc.

Um dos factores que teve um peso bastante considerável para o crescimento e desenvolvimento de Paranhos, foi sem dúvida o retorno de muitas pessoas que tinham em tempos emigrado para o Brasil. Quando regressaram à sua terra de origem, construíram casas, implementaram lojas e fábricas, atraindo assim a população.

Também em finais do século XIX, mais precisamente no ano de 1883, Paranhos ganha um hospital, que se deve ao benemérito Conde de Ferreira, que no seu testamento solicita a edificação de um hospital para alienados.

Os Transportes

É no ano de 1873 que é estabelecido o primeiro serviço público de transportes para Paranhos da Carris. Este serviço era feito por tracção animal, com os denominados “carros americanos”, puxados por uma ou duas parelhas de mulas. Na época eram feitos dois trajectos, um que ía do Bolhão à Praça da Aguardente, e outro da Praça de D. Pedro ao Largo do Campo Lindo.

Dez anos mais tarde, a Carris deixa de ter o exclusivo do serviço de transporte, pois surge uma outra empresa com sede na Rua de São Dinis, a Empresa Portuense de Carros Ripert. Esta empresa marca pela diferença, pois em vez de mulas, tem a puxar os carros bonitos cavalos e começou a fazer serviços para a vizinha São Mamede de Infesta.

Estes carros de tracção animal começaram a ser substituídos por veículos de tracção eléctrica a partir de 1895. Em 1899 experimentou-se a nova linha eléctrica cujo percurso era da Praça de D. Pedro até à Praça do Marquês de Pombal e que levou treze minutos a ser concluído.

Corria o ano de 1948 quando os Serviços de Transportes Colectivos do Porto realizam o seu primeiro serviço.

A Iluminação

É na última década do século XIX, mais propriamente em 1891, que Paranhos começa a ter iluminação pública.

Numa primeira fase, apenas da Rua de Álvaro Castelões onde se situava o edifício da Junta até à Igreja Paroquial havia iluminação. A iluminação chegou à Rua da Igreja no ano seguinte. Em 1897 foi a vez da rua do Cemitério e já no século XX as ruas de Delfim Maia, Arca de Água e as restantes artérias até ao ano de 1912.

Só na segunda década do século XX começou a substituição da iluminação a gás pela iluminação eléctrica.

As Ruas

Até finais do século XIX, as ruas e caminhos de Paranhos eram estreitas e de difícil trânsito, e só a partir de 1912 é que se começam a verificar verdadeiros melhoramentos nos arruamentos e nas vias de comunicação de Paranhos com as freguesias envolventes. Neste ano é rasgada a Rua de Delfim Maia, a Viela do Relógio transformada em Rua, a Rua de Costa e Almeida sofre reparações e a Rua do Lindo Vale é alargada. Este foi o início de muitos melhoramentos e inovação em termos das vias de comunicação. Nos anos 30 dos século XX, nasce a Rua do Bolama, no local onde anteriormente existia a Viela do Covelo, a Rua Augusto Lessa data igualmente desta década.

Saliente-se que a primeira via de comunicação que atravessou esta terra era uma via romana que data do ano 160. Em 1258, é rasgada outra via, a via veteris que ía do rio Douro, passava por Lordelo, Cedofeita, Custóias, Pedras Rubras e ía em direcção à ponte do Rio Ave. No século XVI, é aberta uma nova estrada até Viana do Castelo, era a estrada “Nove Irmãos”.  

As águas de Paranhos

Esta é uma Freguesia que possui apenas alguns regatos de pequena dimensão utilizados outrora pelos lavradores para regarem os seus terrenos de cultivo, pois esta, no século XIX e inícios do século XX era essencialmente uma terra de cariz rural.

Paranhos é sim, uma Freguesia conhecida pelas suas sete nascentes, com água de excelente qualidade, como as águas de Arca D’Água, utilizadas para abastecer toda a cidade do Porto, desde finais do século XVI. Da famosa Arca D’Água, partiam três nascentes da Arca Nova e quatro da Arca Velha.

Dada a elevada qualidade da água, os moradores da cidade ofereceram mil cruzados para a ajuda da construção do aqueduto, e o caudal da água ia até à actual Praça de Carlos Alberto e terminava à Porta do Olival, actual zona da Cordoaria.

 Desde inícios de 1903, pela altura da celebração de S. Miguel, realizava-se neste local, o Largo de Arca D’Água, a “Feira de S. Miguel”, famosa por ter uma duração de um a dois meses e pelas inúmeras “barraquinhas de comes e bebes” que aí se podiam encontrar.

Foi no ano de 1920 que Arca D’Água foi transformada em jardim, mas, não sem antes, ter sido palco de um famoso duelo em 1865, entre Antero de Quental e Ramalho Ortigão, pela polémica literária conhecida por “Questão Coimbrã”.

Ainda em 1950 Paranhos fornecia água a fontes, fontanários e bebedouros públicos, que permitiram à população abastecer-se de água antes da existência do abastecimento domiciliário.

Até 1945 quem pretendesse entrar na cidade via-se obrigado a pagar o imposto indirecto municipal, servindo a estrada da Circunvalação de marco fronteiriço para o efeito.

Na década de 50 do século XX, é inaugurado no lugar da Asprela o Hospital Geral de São João, outrora designado por Hospital Escolar da Cidade, por nele estar instalada a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

 Como o número de habitantes foi crescendo incessantemente, a freguesia foi-se transformando em termos paisagísticos. Muitos dos campos existentes, foram dando lugar à construção de edifícios, não só habitacionais, mas também institucionais. É portanto, no século XX, que começa a nascer uma freguesia de cariz urbano, com a pavimentação de ruas e caminhos, aproximação da freguesia ao centro da cidade através do melhoramento das vias, o que se traduziu numa maior mobilidade da população.

 Algumas curiosidades…

Rua do Amial:

Esta Rua, abarca parte do que em tempos era a Quinta do Tronco, o nome da Rua fica a dever-se aos inúmeros amieiros que em tempos existiam. Foi nesta Rua que passou o primeiro transporte público em Paranhos, no ano de 1873. O transporte consistia num carro americano puxado por uma ou duas parelhas de muares, partia diariamente de S. Mamede Infesta e terminava a viagem na actual Praça de Carlos Alberto, em frente da Antiga Tabacaria Havaneza

Rua Álvaro Castelões:

Esta foi a primeira rua da freguesia a ter iluminação pública a gás, vivia-se o ano de 1891, só em 1922 a electricidade chegou à freguesia. No fundo desta rua situa-se a Junta de Freguesia de Paranhos, criada por Decreto-lei de 18 de Julho de 1835 e até 1910 era

designada por Junta da Paróquia.

Praça Marquês de Pombal:

Foi conhecida antigamente por Largo da Aguardente, por se realizar neste local o mercado da aguardente. O coreto aí existente foi oferecido pelos moradores da Praça. Este local constituiu uma das linhas de defesa aquando das invasões francesas e das forças liberais durante o cerco do Porto.No ano de 1785 algumas pessoas devotas de Santo António ergueram uma capela denominada Santo António da Aguardente.  

Rua da Constituição:

O primeiro troço desta comprida rua a ser construído, ligava a antiga Praça da Aguardente, actual Praça Marquês de Pombal, à antiga Rua da Rainha, actual, Rua Antero de Quental, e a sua conclusão data de 1845. No ano de 1851 ainda rareavam as casas de habitação. As primeiras instalações do Futebol Clube do Porto, foram edificadas nesta rua.

Rua de Costa Cabral:

Foi nesta Rua que em 1882 foi aberta a segunda escola na freguesia. Era uma escola para crianças do sexo feminino, a primeira data de 1872. Antigamente, esta rua era a estrada que levava as pessoas da cidade do Porto a Guimarães, daí ter ficado conhecida como Estrada de Guimarães.  

O Hospital Conde Ferreira:

Este Hospital, mandado edificar por Joaquim Ferreira dos Santos, para o tratamento de doenças do foro mental, foi inaugurado em 24 de Março do ano 1883. Nos seus jardins podemos apreciar a estátua deste benemérito, mais conhecido por Conde Ferreira, numa obra do escultor portuense, Soares dos Reis.

Este Hospital Psiquiátrico, foi edificado no antigo Largo das Regateiras, hoje Largo da Cruz. Era assim denominado, pois as vendedeiras que vinham das terras da Maia à cidade, paravam neste largo para vender, regateando os preços, cantando e dançando.

O Cemitério:

Onde hoje está o cemitério de Paranhos, existiam em tempos bouças – as “Bouças do Agrelho”. As primeiras ossadas a serem trasladadas para aqui datam de 1879. Em 1910 o espaço já era insuficiente e teve de ser aumentado para o dobro. A construção do cemitério ficou a dever-se à proibição em 1835 de enterros no interior das igrejas e mais tarde nos adros das mesmas.

No cemitério de Paranhos esteve sepultada aquela a quem lhe chamam a “Santa de Paranhos”, a Beata Maria do Divino Coração, de nacionalidade alemã e origem aristocrática, que veio para o nosso país em 1894, para servir a Congregação do Bom Pastor. Nesse mesmo ano foi nomeada Superiora da Casa que a Congregação do Bom Pastor tem no Porto, mais precisamente na Rua do Vale Formoso, tendo aí permanecido até 1899, data da sua morte. Hoje, podemos visitar a capela e o quarto da Irmã Maria, daquilo que resta do já extinto Recolhimento do Bom Pastor.

Estrada da Circunvalação:

Esta via ficou concluída em 1897 e servia para limitar as fronteiras fiscais da cidade. Para a Freguesia de Paranhos ficaram estabelecidas as fronteiras da Areosa, Azenha, Amial e Monte dos Burgos, estas fronteiras mantiveram-se até 1943.

No final do século XX com a construção da Via de Cintura Interna, melhora significativamente o acesso à freguesia a outros pontos da cidade, melhorando e aumentando a comunicação entre a população e serviços.

 Apesar do seu perfil urbano, ainda hoje podemos descobrir os prazeres de uma freguesia que em tempos foi constituída por aldeias. Podemos encontrar pessoas que vendem pelas portas os legumes da horta, as que vendem à sua porta flores, a mercearia e a padaria onde se conhece o freguês, assistir e participar na procissão em honra de N.ª Senhora da Saúde, beber água num dos muitos fontanários que ainda vão resistindo à mudança, ou seja, costumes marcadamente rurais.

 Paranhos oferece uma dupla riqueza: viver e estar na cidade e usufruindo os seus serviços e meios, mas ao mesmo tempo desfrutar de uma tranquilidade bucólica, difícil de encontrar no meio urbano.

                                         [rockyou id=83085379&ver=102906]

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: